O ancião através dos tempos

O ancião através dos tempos

Parte I

O preconceito àcerca do ser “velho” ou ser “idoso” está presente nas sociedades após a industrialização, ou seja, é inerente à sociedade hodierna, dita “moderna e civilizada”.

Da antiguidade clássica à idade média, sabedoria e velhice andavam de mãos dadas. Entre os gregos aquilo a que hoje chamamos terceira idade, estava associado a sabedoria. Não necessariamente o saber dos filósofos, mas tão só o conhecimento de si próprio, da vida pública, da natureza, saber esse que se traduzia em bem estar, quer individual, quer colectivo. Ser mais velho significava ser também mais sábio.

Nos tempos de hoje, há cada vez mais idosos e o número tende a aumentar, em parte devido aos progressos da ciência e da medicina. A faixa etária que mais cresce é acima dos 60 anos. No entanto a sabedoria deixou de estar associada à velhice. O laço que unia velhice e sabedoria está a perder-se. Daí que os ditos “velhos” ou “idosos” de hoje vivam pior.

Deixe uma resposta